Blogue do site

Página: 1 2 3 4 ()
[Anyone in the world]

http://news.sciencemag.org/scientific-community/2015/12/look-ahead-2016-what-research-trends-will-be-hot-and-what-will-not?utm_campaign=email-news-latest&et_rid=17104684&et_cid=191723


A look ahead at 2016: What research trends will be hot—and what will not?

At the end of 2015, Science looked back at some of the biggest science stories of the year. Now we’re looking forward, pondering which research trends and ideas are poised to create buzz in 2016—making them the scientific equivalent of the recent Star Wars movie—and which ones are losing some steam. From the rise of reusable rockets to sequencing entire ancient genomes to the rapidly spreading Zika virus to the hunt for a sidekick to the Higgs boson, we offer our best guesses—in no particular order—of the new themes that we think will take hold in 2016, shoving aside some once-sizzling topics.

Got your own ideas about what should be on this list? Share your thoughts on Twitter with #SciHotNot.

Hotarrow.pngCommercial weather data

Notarrow.pngGovernment weather data

Government agencies such as the U.S. National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) generally own and operate the massive, billion-dollar satellites that gather data crucial for weather forecasting. But Congress wants NOAA to forge a pilot commercial data agreement with fledgling space companies; taking data from their constellations of microsatellites, which measure temperature, pressure, and humidity by intercepting GPS signals skimming through the atmosphere. 

Hotarrow.pngIndia emissions

Notarrow.pngChina emissions

China’s emergence as the world’s top emitter of greenhouse gases has been one of the biggest climate stories of the past decade. But the spotlight may now shift to India, which is rapidly rising into the ranks of the emissions superpowers.

Hotarrow.pngZika

Notarrow.pngChikungunya

Two years ago, the chikungunya virus began taking Latin America by storm. Now, another virus called Zika, transmitted by the same Aedes mosquitoes, is spreading—and has been tentatively linked to a rise in microcephaly, a serious birth defect.

Hotarrow.pngReusable rockets

Notarrow.pngDisposable rockets

SPACEX

Last month, SpaceX’s Falcon 9 rocket landed intact after deploying its payload.

What if you had to destroy your jumbo jet after every transcontinental trip? Until recently, expensive rockets always went kerplunk in the ocean after delivering satellites to orbit. Now, two companies,  , demonstrating the possibility of reuse—and of a dramatic reduction in the cost of space science.

Hotarrow.pngEnding AIDS

Notarrow.pngTreatment upon immune damage

Evidence suggests that treating all HIV-infected people as soon as they’re diagnosed is good for both the individual and communities, by both thwarting AIDS and reducing transmission risks. When coupled with a push to use antiretrovirals as prophylaxis in uninfected people, this “treat-all” dictum has led to increasing optimism that communities can bring their AIDS epidemics to a halt.

Hotarrow.pngGene editing

Notarrow.pngGene therapy

Although U.S. regulators could approve the first gene therapy this year—for blindness—this strategy has been eclipsed in the lab by gene editing, which fixes a cell’s defective DNA instead of pasting in a new gene. The first gene-repair clinical trials, for hemophilia and cancer, are already getting underway.

Hotarrow.pngEthical no-go zones

Notarrow.png‘Cowboy science’

Unfettered experimentation driven by pure curiosity is giving way to a debate over whether to establish “no-go” areas of science—such as using new gene-editing technologies to produce engineered babies, giving flu viruses and other pathogens new capabilities, and engineering microbes to produce illegal drugs.

Hotarrow.pngHiggs partners

Notarrow.pngNatural supersymmetry

For decades, supersymmetry has been particle physicists’ best guess at what lies beyond the current Standard Model. Supersymmetry posits a partner particle for every Standard Model particle—but Europe’s Large Hadron Collider (LHC) has seen no sign of those partners. Some physicists now speculate that a sidekick to the Higgs boson (discovered by the LHC in 2012) will be the next step beyond.

Hotarrow.pngAlternative fusion technology

Notarrow.pngTokamaks

C. Bickel/Science

Twisty Wendelstein 7-X, the first large-scale optimized stellarator.

The ITER project, which aims to build the world’s largest tokamak fusion reactor, is growing more unwieldy and expensive. Meanwhile, startup companies with alternative fusion technologies are forging ahead while stellarators and spherical tokamaks are just launching or upgrading.

Hotarrow.pngAncient genomes

Notarrow.pngAncient mitochondrial DNA

In the past 2 years, researchers began sequencing entire nuclear genomes of ancient humans, from Neandertals to Bronze Age Europeans and Asians. These genomes offer far more information about identity, migrations, and evolution than maternally inherited mitochondrial DNA. 

Hotarrow.pngBrexit

Notarrow.pngGrexit

A potential U.K. referendum about a British exit from the European Union could threaten academic collaborations and €1 billion of Horizon 2020 funds for U.K. science. Meanwhile, Greek scientists are relieved that their country’s financial crisis did not force them out of the European Union or its single currency.

Hotarrow.pngFlexible electronics

Notarrow.pngRigid electronics

Old-fashioned rigid electronics brought us phones, tablets, and Fitbits. But research buzz has shifted to flexible electronics and the promise of gizmos such as artificial skin for prosthetics or implantable health monitors.

Hotarrow.pngDOE national labs

Notarrow.pngHubs

From 2009 to 2013, then-Secretary of Energy Steven Chu tried to reinvent how the Department of Energy (DOE) addresses energy science by developing “hubs,” Bell Labs–like centers designed to tackle specific problems. Current Secretary of Energy Ernest Moniz has kept existing hubs but has focused on optimizing the performance of DOE’s 16 national labs.

Hotarrow.pngVoluntary conservation

Notarrow.pngEndangered species regulation

Danita Delimont/Alamy Stock Photo

The greater sage grouse, subject of fierce conservation debate.

Some U.S. conservationists worry that listing certain endangered species—such as the greater sage grouse—under the Endangered Species Act will fuel efforts to gut the law. Instead, they are offering incentives to states and private landowners to preserve habitat in exchange for avoiding regulation.

Hotarrow.pngFDA-approved lab tests

Notarrow.pngRogue diagnostics

The Food and Drug Administration is finalizing guidance to require approval for lab-developed tests—a move that it says will crack down on unreliable and potentially risky diagnostics, but that has the industry (and supporters in Congress) uneasy.

Hotarrow.png‘Democratizing’ ocean research

Notarrow.pngLarge research vessels

Expensive, scarce ship time in the standard research fleet has long been a limiting factor in ocean research. But private ventures are lifting that constraint, whether through ship time offered by the Schmidt Ocean Institute or X Prizes offered for new robotic submersibles and sensors.

Hotarrow.pngHuman chimera research

Notarrow.pngHuman embryo genome editing

Plans to put human cells into animal embryos may get a green light from the United States, but negative reaction to a Chinese team’s attempted edits of human embryo DNA may curtail follow-ups.  

Hotarrow.pngPerovskite solar cells

Notarrow.pngDye-sensitized solar cells

Hybrid solar cells—made from both organic and inorganic materials—are still the rage. Efficiency improvements have largely stalled for the dye-sensitized variety of these cells, but efficiencies for perovskite solar cells are reaching new heights.

Hotarrow.pngThe 45th president

Notarrow.pngObama administration

It’s the last hurrah for White House chief science adviser John Holdren, National Institutes of Health Director Francis Collins, and NASA Administrator Charles Bolden, who have each stayed for the 44th U.S. president’s full two terms.        

Hotarrow.pngClimate monitoring

Notarrow.pngClimate commitment

Nearly 200 nations have vowed to curb their emissions of greenhouse gases—and the next question will be how to monitor and verify that they are following through on their pledges. New carbon measuring satellites should help provide a global picture.

Posted in Scientific Community

Science| DOI: 10.1126/science.aae0167

Comentários

     
    [Anyone in the world]

    http://greensavers.sapo.pt/2015/10/26/os-homens-que-recolhem-os-minerais-raros-que-fazem-funcionar-os-nossos-iphone-com-fotos/


    OS HOMENS QUE RECOLHEM OS MINERAIS RAROS QUE FAZEM FUNCIONAR OS NOSSOS IPHONE (COM FOTOS)

    De onde vêm os iPhone?

    Num canto esquecido da República Democrática do Congo, perto da fronteira com o Ruanda, Uganda e Burundi, esconde-se o mineral raro que permite parte do estilo de vida glamouroso do século XXI: os nossos iPhone e outros gadgets e smartphones.

    Para que este mineral raro, columbite-tantalita, chegue até às mãos dos fabricantes, ele tem de ser extraído por mineiros que trabalham em condições horríveis, com picaretas, panelas e sem a ajuda de luvas.

    Este mineral é o componente mágico que controla o fluxo de energia dos iPhone ou Samsung Galaxy, por exemplo, mas os homens que o puxam da terra trabalham em condições realmente inumanas em minas controladas, quase sempre, por milícias, em zonas de conflito.

    Um exemplo é a mina de Luwow, onde o Roland Hoskins, do Mail Online, fotografou centenas de trabalhadores num local que nos remete para a corrido ao ouro do século XIX e que tem jornadas de 12 horas de trabalho.

    O mineral raro – columbite-tantalita ou coltan – é colocado em sacos de arroz forrados de plástico e carregados nos ombros e cabeças até uma eclusa onde a rocha e areia é passada por vários litros de água. Filtrado à mão, o mineral é atirado para o fundo com as lavagens. Um método do passado e condições de trabalho há muito criticadas: um salário de €2,7 por dia para cada trabalhador, incluindo crianças de dez anos.

    Quando refinado, o coltan transforam-se em tântalo metálico, um pó resistente ao calor que pode conter uma carga elétrica alta, crucial para as placas de circuito em miniatura que alimentam os nossos smartphones, computadores portáteis e outros gadgets de alta tecnologia.

    A mia de Luwow é um dos poucos locais do mundo onde este mineral raro pode ser encontrado – e também, uma das poucas minas do Congo patrulhadas pelas Nações Unidas e não por milícias.

    Comentários

       
      Fotografia de Vitor Teodoro
      por Vitor Teodoro - Sábado, 17 Outubro 2015, 13:14
      [Anyone in the world]
      Skip to Main Content
      OCTOBER 16, 2015 5:37 AM ET
      iStockphoto

      I've always been a little skeptical about the scientific method.

      Science isn't one thing, after all. Just as sports isn't one thing. There isn't one way to win, or one way to get the gold. And, so, there isn't one way to conduct research in fields as different as chemistry, economics, climate science and ethology.

      Nevertheless, just as there are shared values in sports — the value of fair play, might be a good candidate — so there are shared values in science. Some of these are: keep an open mind in the pursuit of truth; question one's own certainties; be on guard against hidden biases, especially one's own.

      This topic is very much in the news lately as science — especially social science — confronts a crisis about the replicability of findings. It turns out, according to an essayby science writer Regina Nuzzo in last week's Nature, that bias — or shoddy practices — can easily find their way into the laboratory of even the most well-meaning researchers. For example, you might be so convinced of your hypothesis that you throw out data that doesn't support it on the very reasonable grounds that, well, there must have been some mistake. You keep probing until you get a hit — and then you publish. In such a case, do your data support the finding in that case? Not really.

      Or you might tailor your theory to the data. That's a good thing, in general. After all, you want your theory to conform to the the facts. But, at the same time, you don't want to pretend that the data were predicted, when they aren't. I'm not a good dart thrower just because I can throw darts at a wall and then put a circle around a big clump of them and claim that I've hit the target (to use an example from the article).

      Physics, I learned from the article, has developed a technique to combat fake bullseyes (or fake significant findings). We are familiar with the concept of the double blind study: In such studies, neither the researchers nor the subjects of an experiment (a drug study, for example) know whether they're getting a placebo. This way, the subjects can't let their knowledge influence what they report. And researchers can't let what they expect to find shape what they notice.

      The new technique of data blind studies takes this to a whole new level. In data blind studies, you collect data and design a computer program that generates alternate, divergent data sets, all of which are possible but only one of which is actual. You, the researcher, don't know which data set is the genuine one. This means you have to figure out what to say — what your principles of analysis are — before you even know whether the findings support your theory or not. It's a little like the principle that the child slicing the pie in half shouldn't know in advance which portion she'll get. You slice, or conduct research and analysis, behind what philosophers call the veil of ignorance. This lets you decide what your standards for assessing data will be independently of what you actually discover. You only lift the vail, or raise the blind, when you've agreed on criteria of evaluation that are neutral.

      It is a remarkable example of the scientific disunity with which I began that, as a matter of fact, the use of the data blind method isn't more widespread outside of physics.


      Alva Noë is a philosopher at the University of California, Berkeley, where he writes and teaches about perception, consciousness and art. He is the author of several books, including his latest, Strange Tools: Art and Human Nature (Farrar Straus and Giroux, 2015). You can keep up with more of what Alva is thinking on Facebook and on Twitter: @alvanoe

      Comentários

         
        [Anyone in the world]
        "O argumento na sintonia fina e outros argumentos de design recentes inteligentes são versões modernas do raciocínio Deus-das-lacunas, onde um deus é considerado necessário sempre que a ciência tem um fenômeno não é totalmente explicada. Quando os seres humanos viviam em cavernas eles imaginavam espíritos atrás de terremotos, tempestades e doença. Hoje temos explicações científicas para esses eventos e muito mais. Portanto, aqueles que desejam sinais explícitos de Deus na ciência agora devem ter um olhar mais profundo, para enigmas altamente sofisticados, como o problema da constante cosmológica. Porém, uma vez mais, a ciência continua em progresso, e agora temos uma explicação plausível que não necessita de ajuste fino. Da mesma forma, a ciência pode um dia ter uma teoria de que os valores das constantes físicas existentes podem ser derivados ou explicados. O argumento de ajuste fino nos diria que o Sol irradia luz para que possamos ver para onde estamos indo. Na verdade, o olho humano evoluiu para ser sensível à luz do sol. O universo não é finamente ajustado para a humanidade. A humanidade está afinada com o universo."


        https://netnature.wordpress.com/2014/03/12/o-universo-e-finamente-ajustado-para-nos/

        Comentários

           
          Fotografia de Vitor Teodoro
          por Vitor Teodoro - Quinta, 24 Setembro 2015, 14:35
          [Anyone in the world]

          http://visao.sapo.pt/manuais-escolares=f831276




          O negócio milionário dos manuais escolares

          Desde 1989 que o Conselho Nacional de Educação recomenda a gratuitidade, ainda que faseada, dos manuais escolares. Mas falamos de um mercado que, só este ano, pode chegar aos 200 milhões de euros  

           

          2 comentários
           2  0 
           
           
          O negócio milionário dos manuais escolares
          Foto: Alexandre Bordalo
          É uma discussão com pelo menos 25 anos e deverá manter-se enquanto a fatura pesar no bolso dos pais. Desde 1989 que o Conselho Nacional de Educação (CNE) recomendava a gratuitidade, ainda que faseada, dos manuais escolares. Um pequeno passo nesse sentido foi dado apenas no ano letivo 2012/13: segundo despacho da Ação Social Escolar, determinava-se a criação dessas bolsas nas escolas.   

          Nada que convença Henrique Trigueiros, o fundador do Movimento Reutilizar, que na semana passada entregou uma queixa ao provedor de Justiça, apresentando denúncias de mais de 100 pais. No seu entender, as editoras fazem tudo para que a reutilização dos manuais não pegue. Em livros para os 1,4 milhões de alunos inscritos neste ano letivo, o valor do mercado pode variar entre os 120€ milhões (número da Porto Editora) e os 200€ milhões, nas contas que Trigueiros fez.  

          Mas haverá outras questões a resolver: segundo dados de um recente estudo sobre as intenções de compra dos portugueses no regresso às aulas, 94% dos pais prefere comprar manuais novos.  

          Este ano, o cabaz de livros mais caro é do 7º ano escolaridade e ascende aos 250 Euros. A ação social escolar dá uma ajuda aos alunos de famílias com menores rendimentos - e muitas autarquias também, ao providenciarem os livros para o 1º ciclo. Só em Vila Nova de Gaia, a verba para esse fim chega aos 850 mil Euros. 

          É preciso ainda dizer que escolas que emprestam livros aos seus alunos é o que acontece por regra, e pelo menos até ao fim do 3º ciclo, em pelo menos 5 países europeus - a saber: Suécia, Noruega, Dinamarca, Holanda e a sempre tão admirada Finlândia. Tudo países com bons resultados escolares.  


          Ler mais: http://visao.sapo.pt/o-negocio-milionario-dos-manuais-escolares=f831276#ixzz3mf9btM4b

          [ Modificado: Quinta, 24 Setembro 2015, 14:35 ]

          Comentários

             
            Fotografia de Vitor Teodoro
            por Vitor Teodoro - Segunda, 14 Setembro 2015, 09:40
            [Anyone in the world]

            http://www.rsc.org/blogs/eic/2015/06/formula-triangle-maths-equation


            Why are formula triangles bad?


            During a university admissions interview for veterinary medicine, I asked a prospective student to explain how they would make up a solution for infusion into a dog. Part of the answer required them to work out the volume required for a given amount and concentration. The candidate started off by drawing a triangle, then hesitated, eventually giving up in despair. This was my first encounter with formula triangles.  

            What are they?

            Formula triangles are a tool to help students use equations without needing to rearrange them. To use one, cover up the term you’re trying to find to reveal the expression required to calculate it. In the example here it’s the volume: cover up V to see the required equation is moles divided by concentration. Or if you want the number of moles, cover up the n and then, as c and V are side by side, multiply them together.

            Connecting maths and science

            I dislike formula triangles for a number of reasons. My experience in the admissions interview is not uncommon. While they may be a useful approach for A-level exams (these candidates all had A or A* at chemistry A-level) it doesn’t seem to help much in the long term.

            They are a trick that hides the maths: students don’t apply the skills they have previously learned. This means students don’t realise how important maths is for science.1

            I’m also concerned that if students can’t rearrange simple equations like the one above, they really can’t manage when equations become more complex.

            Rearranging equations

            Students who don’t continue to study maths after age 16 really lack confidence and fluency with algebra. For students in England and Wales, the new post-16 core maths course will be extremely important since it reinforces much of GCSE maths and focuses on applying it. Even students who study maths at A-level develop greater confidence and fluency but often find it difficult to apply their mathematical skills in other subjects.

            In my experience the most successful approach to rearranging equations is the balance method. This revolves around the key idea that what you do to one side of the equation you must also do to the other (see box). Once students have mastered this technique, they can then go on to more complex equations such as rearranging the Michaelis-Menten equation to make the substrate concentration the subject.

            To help students and teachers, I have several question sets in the Numbas online assessment system – click on ‘exams’ and search for ‘equations’. These questions can be downloaded and used within a website or virtual learning environment.

            In my view, success in rearranging equations is more about students’ attitudes, confidence, mindset and anxiety than about any so-called natural ability. They need to understand why it is important and to realise that it is inherently simple, there are a few clear rules but no magic tricks.

            How do you make V the subject of this equation?

            Formula_1_200px.jpg

            Prompt the student: What can you do to both sides of the equation to put V in the numerator?

            Try multiplying both sides by V.

            Formula_2_200px.jpg

            On the right hand side the Vs cancel.

            Formula_3_200px.jpg

            Prompt: You want V on its own, so what do you need to do to both sides of the equation?

            Divide both sides by c.

            Formula_4_200px.jpg

            On the left hand side the cs now cancel.

            Formula_5_200px.jpg

            Substitute in the numbers and units, for example
            n = 5x10-3 mol and c = 2 mol dm-3.

            Formula_6_200px.jpg

            This is a long-winded approach, but when students become more confident they can skip over some of the steps.

            Formula_7_200px.jpg

            Jenny Koenig is a science education consultant and dean and director of studies in medical sciences at Lucy Cavendish College, University of Cambridge, UK

            Reference

            1 J A Koenig, A survey of the mathematics landscape within bioscience undergraduate and postgraduate UK higher education. Higher Education Academy: 2011 (http://bit.ly/1KkianA pdf)

            Comentários

               
              Fotografia de Vitor Teodoro
              por Vitor Teodoro - Segunda, 31 Agosto 2015, 10:52
              [Anyone in the world]

              No fundo, e se bem percebi, quer o PSD/CDS, quer o PS, nada propõem de concreto para um problema que, todos os anos, afecta milhares de famílias e movimenta milhões de euros. Fazem uma vaga promessa sobre «o digital», acenando com uma utopia distante. Ou seja, não têm sequer coragem de denunciar o statu quo extorsionário ou de anunciar um sistema de trocas e empréstimos de manuais escolares. Como é evidente, quando e se um dia chegar «o digital», as grandes editoras estarão preparadas para esse novo – e ainda mais lucrativo – segmento de mercado."

              Comentários

                 
                [Anyone in the world]

                http://www.publico.pt/ciencia/noticia/morreu-oliver-sacks-o-explorador-do-cerebro-1706394?page=-1




                "(...) o médico e escritor regressava à sua paixão de sempre pela química – e pelos elementos químicos, que desde a sua pequena infância foram, dizia, os seus “companheiros” em situações de perda de entes queridos.

                E explicava ainda que tinha uma colecção de minerais, uma tabela periódica muito pessoal, na qual os números dos elementos representavam os anos que passam. “O bismuto é o elemento 83. Acho que não vou chegar ao meu 83º aniversário, mas (…) há qualquer coisa de encorajador em ter o ‘83’ por perto.”

                E concluía: “Na outra ponta da minha tabela – a minha tabela periódica – tenho um belíssimo pedaço de berílio trabalhado (o elemento 4) para me lembrar da minha infância e de quanto tempo já passou desde que a minha vida – que em breve irá acabar – começou.”



                Oliver Sacks, autor de Despertares, adormeceu para sempre

                Em Fevereiro, o célebre neurologista e escritor britânico anunciara nos media que estava a morrer. Eis um apanhado póstumo da vida multifacetada do médico que pôs a pessoa no centro da narrativa médica e explicou ao mundo as doenças mais paradoxais do cérebro humano.

                Oliver Sacks tinha uma popularidade rara para um cientista JAMES LEYNSE/CORBIS 

                MAIS

                Oliver Sacks, professor de neurologia da Universidade de Nova Iorque, autor de best-sellers cheios daquilo a que ele chamava de “contos clínicos” – e que deram origem a filmes de Hollywood como Despertares (com Robert de Niro e Robin Williams) e À primeira vista (com Val Kilmer e Mira Sorvino) –, morreu este domingo de cancro ocular na sua casa em Nova Iorque. Tinha 82 anos de idade.

                No seu último livro, uma autobiografia intitulada On the Move (“em movimento”, “em mudança”) e publicada há uns meses, Sacks revelava partes pouco conhecidas da sua intensa história pessoal: foi motard e halterofilista, foi viciado em anfetaminas. Era um homossexual, que só agora, em tempos mais tolerantes, o assume publicamente – mas que praticava o celibato há 35 anos.

                E não há muita margem para dúvidas: viveu cada momento dessa vida em cheio. Basta ler os inúmeros testemunhos e artigos de amigos e admiradores publicados na imprensa internacional nos últimos meses, na sequência da sua “morte anunciada”.

                Daí que seja difícil abordar aqui todas as facetas e fases da vida deste médico, apaixonado por química e música, física e neurociências. Mas uma coisa é certa: o que o tornou mundialmente conhecido – e de facto, incontornável para milhões de leitores – foi esse cruzamento único que Sacks inventou entre a neurologia e a arte de contar, motivado pelo seu amor pelos seus doentes.

                “Sacks contribuiu para humanizar uma série de estranhas perturbações neurológicas – e, em certa medida, tornou naturais bizarros sintomas tais com os tiques e os tremores dos doentes”, disse ao PÚBLICO por email o conhecido neurocientista português António Damásio. “Fez os leitores perceber que, por detrás da estranheza dessas manifestações, há também uma pessoa que pensa e que sente. Essa foi um feito notável, conseguido por Sacks ao longo de décadas de escrita incessante.”

                Sacks escrevia com uma humanidade e uma empatia sem iguais (já para não falar da sua mestria literária e científica) sobre as patologias neurológicas mais bizarras. E tinha sempre coisas profundas e emocionantes a dizer sobre a luta dos doentes com as suas trágicas doenças, descrevendo como ninguém os mistérios do mais misterioso dos órgãos que é o cérebro humano.

                A prova disso, a admiração que nutria por ele o poeta anglo-americano (e seu amigo) W.H. Auden (1907–1973). Ou a que tem hoje a escritora britânica Hilary Mantel (autora, entre outros, do aclamado romance Wolf Hall), que declarava, num curto texto em 2013 no jornal The Guardian, que Sacks era o seu herói e que ele tinha “elevado a história clínica ao patamar da literatura”, acrescentando que “[Sacks] nunca faz o leitor sentir-se um voyeur; a sua abordagem é subtil, e o que emerge de todo o seu trabalho é o seu respeito pelos seus sujeitos. Parece amar os seres humanos (…). Não ama a humanidade em abstracto, mas admira e aprende com cada indivíduo, não importa o quão devastado [pela doença]”.

                De Londres para Nova Iorque
                Nascido em Londres em 1933, numa família de médicos e cientistas, Sacks estudou medicina na Universidade de Oxford e a seguir emigrou para os EUA, onde fez o internato em São Francisco e Los Angeles, lê-se na curta biografia no seu site oficial. E a partir de 1965, passou a residir e a exercer a neurologia em Nova Iorque, dedicando-se a tratar pessoas com doenças neurológicas literalmente fora deste mundo (não é por acaso que intitularia, mais tarde, um dos seus grandes livros de contos clínicos Um Antropólogo em Marte).

                Foi em 1973 que publicou Despertares, o seu segundo livro, que mais tarde daria lugar ao filme com o mesmo nome, com Robin Williams no papel de Sacks. Mas a sua “saga” com o grupo de doentes descritos no livro, “congelados no tempo” desde os anos 1920 devido a uma misteriosa epidemia de “encefalite letárgica” e esquecidos num hospício do Bronx, começara pouco depois da sua chegada à Big Apple. Sacks fê-los literalmente acordar, quatro décadas depois, quando teve a ideia de lhes administrar um então novo medicamento contra a doença de Parkinson, a L-Dopa.

                Todavia, o que celebrizou Sacks – na medicina e na escrita – foi a sua primeira recolha de “contos clínicos” propriamente ditos, O Homem que Confundiu a Mulher com um Chapéu, publicada em 1985. A história que dá título a esta antologia não podia deixar ninguém indiferente: era a de um homem que sofria de “prosopagnosia” (como aliás o próprio Sacks), uma doença rara que torna a pessoa incapaz de distinguir os rostos humanos entre si apesar de ter uma visão e um processamento pelo cérebro da informação visual totalmente normais. O encenador de teatro britânico Peter Brook criaria nos anos 1990, em Paris, o espectáculo L’Homme qui (O homem que), com base nesses contos de Sacks.

                Mas essa era apenas a primeira leva de novelas verídicas que compunham o livro. Histórias fascinantes e ao mesmo tempo angustiantes, uma vez que mostram a fragilidade do mundo perceptual construído pelo nosso cérebro – do nosso único elo com o mundo que nos rodeia. Mais de duas dezenas de capítulos, com títulos como O homem que caiu da camaO dedo fantasmaA doença de Cupido ou Um cão sob a pele perfaziam uma viagem a um mundo quase extraterrestre, misterioso e desconhecido da maior parte das pessoas: o das doenças neurológicas, do cérebro fragmentado.

                Um deles, A mulher desencarnada, particularmente memorável (não há outra forma de o qualificar), relatava o caso de uma jovem mulher que tinha perdido a “propriocepção” (o sentido que permite, mesmo com os olhos fechados, saber qual é posição e a postura do nosso corpo no espaço). Sacks contava como aquela vida humana, de repente interrompida de forma tão trágica como invulgar, fora a seguir reconstituída, reunificada pela própria doente, numa batalha heróica contra o seu mal.

                Outros contos ainda revelavam, por exemplo, o mundo de dois gémeos autistas com extraordinárias capacidades matemáticas, ou um caso de “doença dos tiques” (a síndrome de Tourette) que faz as suas vítimas praguejar sem controlo – e uma doença de que na altura ninguém falava.

                Ao longo dos anos, Sacks escreveu uma série de artigos para a revista The New York Review of Books (NYRB). Um deles, especialmente comovente, integraria a seguir o seu livro Um Antropólogo em Marte: falava em grande pormenor do caso de um pintor que, na sequência de um acidente de viação, se tornara incapaz de ver cores – e mais: incapaz sequer de imaginar, de saber, o que é a cor. Por causa disso, o pintor passara a viver num mundo de pesadelo onde o Sol parecia um grande disco preto e as pessoas tinham a pele da cor das ratazanas.

                Tal é a força da descrição que Sacks faz deste caso único que ficamos com a convicção de que, se a nossa mente se encontrasse numa encruzilhada tão bizarra como essa, quereríamos ser tratados por ele e só por ele. “Todos os médicos aspiram a ser um pouco como Sacks (…) pela sua óbvia humanidade e pela sua escrita sublime, que vai ao âmago do que significa ser humano e frágil”, salientava em finais de Julho, no Guardian, a oncologista Ranjana Srivastava.

                Pode-se dizer que Sacks reinventou assim a relação médico-doente. E foi ainda mais longe. Na sequência de um grave acidente que teve durante um passeio solitário, numa região montanhosa da Noruega – em que foi perseguido por um touro que quase lhe arrancou uma perna –, Sacks foi hospitalizado e teve uma recuperação lenta e dolorosa. E no seu livro Perna para que te quero (A Leg to Stand On) relata com profunda perspicácia essa experiência, em que teve a estranha sensação de que a sua perna já não lhe pertencia. De repente, o neurologista passara para o outro lado da barreira, tornando-se ele próprio num caso neurológico a ser “dissecado” pelos seus colegas. 

                Uma morte anunciada
                A doença mais grave de Oliver Sacks, essa, começou há quase uma década, quando lhe foi diagnosticado um melanoma num olho – um tumor maligno raro. Perdeu o olho devido à cirurgia necessária para retirar o cancro – e durante anos, pensou-se que estava curado, uma vez que, no seu caso, o cancro parecia pouco susceptível de criar metástases noutros órgãos. Mas não foi assim.

                Em Fevereiro, num pungente artigo publicado no New York Times (NYT), Sacks revelava que estava a morrer. “Há um mês, sentia-me de boa saúde, de saúde mesmo robusta”, escrevia. (…) Mas a minha sorte acabou: soube há poucas semanas que tenho múltiplas metástases no fígado.”

                A seguir, com a sua habitual sensibilidade, acrescentava:  “[Sinto-me] intensamente vivo [e espero que, no tempo que meresta], aprofundar as minhas amizades, dizer adeus às pessoas que amo, escrever mais, viajar se tiver forças para isso, atingir maiores níveis de compreensão e de perspicácia.”

                E mais à frente, como que se desculpava: “Ainda me importo profundamente com o Médio Oriente, com o aquecimento global, com as desigualdades crescentes, mas essas coisas já não me dizem respeito; pertencem ao futuro.” Confessava ainda:  “[Não posso] fingir que não tenho medo”, mas acrescentava logo: “O meu sentimento predominante é de gratidão.” E concluía: “Acima de tudo, fui um ser que sente, um animal que pensa, neste maravilhoso planeta, e isso foi só por si um enorme privilégio e uma enorme aventura.”

                Desde então, Sacks foi submetido a um tratamento dito de embolização, destinado a limpar o seu fígado das metástases (quase metade daquele órgão fora invadido pelo cancro). Descreveu-o num outro artigo, publicado em Abril desta vez na NYRB – o segundo de uma espécie de “crónica de uma morte anunciada” que tem alimentado nos últimos tempos.

                O tratamento, escrevia Sacks, consistira em injectar na artéria hepática uma quantidade de “minúsculas bolinhas, para serem transportadas até às mais pequenas arteríolas, bloqueando-as e cortando o aprovisionamento em sangue e oxigénio necessário às metástases – ou seja, matando-as à fome e asfixiando-as”.

                Os dias seguintes da sua vida foram marcados por uma série de efeitos secundários de pesadelo – o que não impediu Sacks de continuar a escrever incansavelmente. Mas “ao décimo dia deu-se uma viragem (…); à tarde, senti-me outra pessoa. Foi uma sensação deliciosa e totalmente inesperada”. Sacks esperava, graças ao tratamento, “sentir-se mesmo bem durante três ou quatro meses”.

                Mas a deterioração da sua saúde foi infelizmente mais rápida. Num terceiro artigo em finais de Julho, novamente no NYT anunciava que “essa sensação de bem-estar e de energia começou a declinar de Maio para Junho”. A 14 de Agosto, também no NYT, publicava o seu último artigo.

                Apesar de continuar activo (nadava todos os dias), Sacks confessava pela primeira vez, no artigo de finais de Julho, que já não conseguia negar o facto de que estava mesmo doente. E a 7 de Julho, uma TAC revelara que o cancro tinha não só regressado ao fígado, como estava espalhado para outros órgãos. À espera de poder ter “mais alguns meses bons”, Sacks começara um outro tratamento – uma imunoterapia, também ela arriscada.

                No mesmo artigo de Julho, o médico e escritor regressava à sua paixão de sempre pela química – e pelos elementos químicos, que desde a sua pequena infância foram, dizia, os seus “companheiros” em situações de perda de entes queridos.

                E explicava ainda que tinha uma colecção de minerais, uma tabela periódica muito pessoal, na qual os números dos elementos representavam os anos que passam. “O bismuto é o elemento 83. Acho que não vou chegar ao meu 83º aniversário, mas (…) há qualquer coisa de encorajador em ter o ‘83’ por perto.”

                E concluía: “Na outra ponta da minha tabela – a minha tabela periódica – tenho um belíssimo pedaço de berílio trabalhado (o elemento 4) para me lembrar da minha infância e de quanto tempo já passou desde que a minha vida – que em breve irá acabar – começou.”

                Comentários

                   
                  [Anyone in the world]

                  http://www.publico.pt/ciencia/noticia/faca-estas-oito-coisas-e-tornarsea-mais-criativoa-e-perspicaz-afirmam-neurocientistas-1706233?page=-1


                  "1) Ser positivo(a): Tem havido muita investigação, nos últimos 20 a 30 anos, que mostra que ser positivo (a) aumenta a criatividade. 

                  2) Grandes espaços: a atenção perceptual – a maneira como focamos a nossa visão – parece estar relacionada com a chamada “atenção conceptual”. .

                  3) Evitar objectos cortantes: nós descobrimos que quando as pessoas estão rodeadas de objectos pontiagudos e de arestas marcadas, tais como um sofá anguloso ou um corta-papel que parece um punhal, isso pode causar aquele sentimento subtil e inconsciente da existência de uma ameaça.

                  5) Fazer pausas: quando estamos bloqueados e marcamos um intervalo para fazer algo completamente diferente, esquecemos a má ideia em que estávamos fixados. 

                  6) Dormir: uma das ferramentas mais poderosas para promover a perspicácia é o sono. Se estiver bloqueado(a), durma uma sesta, vá para a cama. 

                  7) Não fazer nada: não fazer nada é um trabalho criativo, porque quando estamos conscientemente a não fazer nada, a parte consciente ocupa apenas uma minúscula parte do nosso cérebro – e que o resto, a parte inconsciente, esse não pára. 

                  8) Tomar duche: o duche é um sítio fantástico para deixar vaguear a mente, para incubar pensamentos e preparar o terreno da revelação. "



                  Faça estas oito coisas e tornar-se-á mais criativo(a) e perspicaz, afirmam neurocientistas

                  Se acha que não fazer nada é mau para si, desengane-se. Na opinião de um especialista da questão, isso torna-nos pelo contrário mais susceptíveis de ter ideias originais – ideias essas que surgirão na nossa consciência como instantes de revelação.

                  O Espelho Falso, de 1928, de René Magritte RENÉ MAGRITTE 

                  Os testes de inteligência humana mostram que enquanto o QI – a medida das nossas capacidades analíticas – parece estar a aumentar, o pensamento criativo poderá estar a declinar porque o nosso mundo hiperactivo exige que sejamos cada vez mais analíticos. O neurocientista John Kounios, professor de psicologia da Universidade de Drexel (em Filadélfia, nos Estados Unidos) e co-autor, com o seu colega Mark Beeman, do livro The Eureka Factor (O Factor Eureka), estuda a forma como a criatividade – e esse momento em que de repente percebemos algo [insight em inglês] começam no cérebro. E explica-nos que há uma série de coisas muito simples que podemos fazer para estimular essa revelação súbita, o pensamento “fora da caixa”, a criatividade e os “murmúrios da intuição”.

                  Por que se interessou pela ciência da revelação súbita?
                  Houve uma controvérsia, na psicologia cognitiva, em torno da questão de saber se o pensamento muda gradualmente ao longo do tempo – num “processamento contínuo” – ou se o nosso cérebro passa de repente de um estado para outro e depois para outro. A ideia aceite na altura era que qualquer pensamento fluía gradualmente e que o que as pessoas sentiam como uma revelação súbita não era mais que um floreado emocional, um entusiasmo adicional no fim do processo de raciocínio, que fazia com que a revelação parecesse surgir de repente.

                  Nós concebemos algumas experiências, utilizando anagramas (sequências de letras que é preciso reordenar para identificar uma palavra) e descobrimos que algumas pessoas passam, num pulo, de não fazer a mínima ideia da solução a ter a solução. Isso mostrou-nos que a revelação súbita é um fenómeno real.

                  Foi então que decidi focar-me nas bases neurais da criatividade e que comecei a trabalhar com o meu colega Mark Beeman no sentido de mapearmos ao mesmo tempo onde e quando essa revelação súbita acontece no cérebro.

                  Eu uso a técnica de electroencefalografia (EEG), que mede a actividade eléctrica do cérebro e permite determinar exactamente quando é que algo está a acontecer no cérebro. Porém, a EEG não permite mostrar onde é que essa actividade está localizada. Mas o Mark usa a tecnologia de ressonância magnética funcional (fMRI), que detecta alterações no fluxo sanguíneo cerebral e é justamente muito útil para mostrar onde é que a actividade está a acontecer (embora o seja menos em termos temporais). Foi por isso que decidimos combinar as nossas estratégias.

                  E o que descobriram?
                  O estudo da questão da revelação súbita coloca vários desafios. Adorava enfiar pessoas dentro de um scanner cerebral e esperar que tivessem uma experiência deste tipo. Mas isso não é exequível. Portanto, o que fazemos é submetê-las a testes [da criatividade] chamados “problemas de associações remotas”.

                  Cada teste consiste em apresentar três palavras, como pine/crab/sauce [pinheiro/caranguejo/molho]. Os participantes têm então de pensar numa quarta palavra que permita formar uma palavra composta ou uma expressão familiar com cada uma dessas três palavras. Neste exemplo, a resposta é apple [porque com a palavra que em inglês significa "maçã" formam-se pineapple (ananás), crabapple (macieira) e apple sauce (compota de maçã)].

                  As pessoas podem resolver estes problemas de duas maneiras. Uma é a forma analítica, metódica – ou seja, através de um raciocínio analítico. E a outra é aquela que, por vezes, faz com que olhem para o problema e que a solução surja de repente na sua consciência. “Ah, é isso!”, pensam.

                  O que nós fizemos foi comparar a actividade cerebral dos dois tipos de soluções: a analítica e a da revelação. E constatámos que, precisamente no instante em que o problema é resolvido num instante de revelação, há um surto de ondas cerebrais gama no lobo temporal direito, situado acima da orelha – e, mais concretamente, no giro temporal superior anterior direito. As pessoas que resolvem o problema de forma analítica não apresentam essa actividade específica.

                  Também testámos as pessoas no seu estado de repouso e a seguir demos-lhes um monte de anagramas para resolver. E descobrimos que enquanto algumas pessoas, que designamos de analíticas, tendem a utilizar um raciocínio analítico para resolver estes enigmas, há um outro grupo, o dos “perspicazes” [insightful], que recorrem principalmente à revelação.

                  Também observámos que, mesmo em repouso, os cérebros destes dois grupos de pessoas funcionam de maneira ligeiramente diferente. As pessoas altamente analíticas apresentam um maior nível de actividade no seu lobo frontal esquerdo. E as mais perspicazes uma maior actividade no lobo parietal posterior direito, na parte traseira do cérebro.

                  Os lobos frontais têm a ver com concentração, controlo, pensamento estratégico – e as pessoas em cujo cérebro eles estão muito activos são muito organizadas e muito focadas. Mas quando o lobo frontal é desactivado, as pessoas têm tendência a ser relativamente dispersas e desorganizadas, mas também algo criativas.

                  De facto, as pessoas que sofrem de transtorno do défice de atenção e hiperactividade (ADHD na sigla em inglês) tendem a ter um desempenho melhor nos testes de criatividade.

                  Também descobrimos uma terceira categoria de pessoas, que podem ser altamente analíticas ou altamente perspicazes e que conseguem mudar voluntariamente o seu estado cerebral, passando de um destes estilos cognitivos para o outro quando necessário.

                  Portanto, somos capazes de pensar das duas maneiras. Há uma melhor que a outra?
                  Há problemas que podem ser resolvidos de ambas as maneiras – analiticamente ou através de um instante de revelação. Outros são mais adaptados ao raciocínio analítico. Se eu apresentar a alguém uma coluna de números a adicionar, não é possível esperar encontrar a resposta olhando para eles. Talvez alguns “savants” [pessoas com capacidades excepcionais, como pode acontecer no autismo] o consigam, mas a maioria das pessoas não é capaz. O que elas sabem é como, passo a passo, adicionar os números e calcular o resultado.

                  Contudo, há problemas que não têm este tipo de constrangimentos, que são abertos. Por exemplo: como fazer para ser feliz? Para ser boa pessoa? Aqui não há regras de base particulares, não existe uma fórmula que se possa aplicar para chegar à resposta. E as pessoas resolvem frequentemente este tipo de problemas através de instantes de revelação, que são uma forma de criatividade que nestes casos se torna desejável possuir.

                  Ora, como é cada vez mais frequente que os problemas com que somos confrontados no mundo actual, enquanto indivíduos e enquanto sociedade, sejam demasiado complexos, imbricados e globais – o terrorismo, a poluição… –, o facto é que não existe um método simples para os resolver. Exigem criatividade.

                  Como é que os leitores podem estimular a sua perspicácia, a sua criatividade?

                  A perspicácia é como os gatos. Não é possível mandar nela. Podemos incentivá-la, mas não a podemos controlar. A criatividade e a perspicácia derivam de um estado cerebral particular. Portanto, se conseguirmos colocar-nos nesse estado mental, aumentamos as nossas hipóteses de ter revelações criativas.

                  E com base em estudos científicos, sabemos que o facto de alterar alguns aspectos do nosso ambiente pode ajudar.

                  1) Ser positivo(a): Tem havido muita investigação, nos últimos 20 a 30 anos, que mostra que ser positivo (a) aumenta a criatividade. Quando a nossa disposição é algo negativa, ansiosa, isso melhora, pelo contrário, o pensamento analítico.

                  A criatividade provém de um sentimento de segurança. Quando nos sentimos em segurança, somos capazes de arriscar. E a criatividade é intelectualmente arriscada. As ideias novas podem estar erradas. Pôr essas ideias em prática pode suscitar resistências.

                  Quando sentimos ameaças subtis, inconscientes, temos a impressão de que não nos é permitido errar. Precisamos de ficar focados no tema em causa, não nos podemos afastar do problema em si ou daquilo que temos de fazer.

                  Nós também observámos que a existência de prazos, que subentende uma ameaça implícita ou consequências negativas se não forem respeitados, pode gerar ansiedade e deslocar a nossa estratégia cognitiva para uma forma mais analítica de raciocínio. Os prazos podem conduzir a um aumento da produtividade analítica, mas se um empregador quer mesmo qualquer coisa “fora da caixa”, inovador e original, talvez um prazo menos rígido possa suscitar mais criatividade.

                  Num outro estudo, descobrimos que as pessoas que resolviam os problemas de forma analítica apresentavam maior actividade no seu córtex visual – ou seja, estavam focadas no exterior. Mas antes de as pessoas resolverem um problema num instante de revelação, a sua actividade cerebral no córtex visual diminuía: estavam a focar a sua atenção para dentro.

                  Também antes desse instante de revelação, verificava-se uma maior actividade no cingulado anterior das pessoas, uma região do cérebro situado no meio da cabeça. O cingulado anterior tem como função monitorizar o resto de cérebro para detectar conflitos – e também detecta diferentes estratégias de resolução de problemas. E como não é possível utilizar duas estratégias ao mesmo tempo, são as mais óbvias que costumam ser fortemente activadas. As outras – as intuições, os palpites, que tendem a ser mais criativas, até bizarras ou excêntricas – são menos activadas, mais fracas, mais distantes.

                  Porém, quando a nossa disposição é positiva, ficamos mais sensíveis a “apanhar” essas ideias inconscientes menos activadas. E quando as detectamos, a nossa atenção pode virar-se para elas e elas podem surgir na nossa cabeça como uma revelação. Pelo contrário, se estivermos de mau humor e o cingulado anterior não for activado, seguimos o caminho mais forte, que costuma ser o mais fácil. Portanto, a boa disposição expande literalmente o nosso pensamento.

                  2) Grandes espaços: a atenção perceptual – a maneira como focamos a nossa visão – parece estar relacionada com a chamada “atenção conceptual”. Se estivermos num espaço exíguo, por exemplo a trabalhar num cubículo, não é possível dar largas à nossa atenção visual. Ela permanece focada nesse espaço estreito. E quando a atenção visual se encontra restringida, o mesmo acontece com a atenção conceptual, que se torna estreita e focada, promovendo o pensamento analítico.

                  Mas se nos encontrarmos num espaço amplo – num grande gabinete com um pé direito alto ou fora de portas –, a nossa atenção visual alarga-se para encher esse espaço e a nossa atenção conceptual expande-se.

                  É por isso que muitas personalidades criativas gostam de estar lá fora, de fazer longas caminhadas na natureza e que vão à procura de inspiração nos espaços abertos e amplos. Quando conseguimos ver ao longe, podemos pensar de forma mais lata.

                  3) Evitar objectos cortantes: nós descobrimos que quando as pessoas estão rodeadas de objectos pontiagudos e de arestas marcadas, tais como um sofá anguloso ou um corta-papel que parece um punhal, isso pode causar aquele sentimento subtil e inconsciente da existência de uma ameaça. E quando isso acontece, a atenção estreita-se.

                  Portanto, o ambiente ideal para fomentar a revelação súbita é um grande espaço, bem arejado, “mobilado” com objectos fofos e arredondados.

                  4) As cores da natureza: como pensamos na cor vermelha como numa cor da urgência, associada ao sangue, aos carros de bombeiros e aos sinais de Stop, ela capta e estreita a atenção. Mas as cores do meio exterior, como o azul do céu ou o verde das árvores, têm sido associadas à relaxação, à expansão, à geração de um sentimento de segurança que ajuda a atenção a expandir-se e aumenta a criatividade.

                  Isto não vale para todos. Se o nosso passatempo favorito for cultivar rosas, poderemos associar o vermelho às rosas que amamos.

                  5) Fazer pausas: quando estamos bloqueados e marcamos um intervalo para fazer algo completamente diferente, esquecemos a má ideia em que estávamos fixados. Isso permite que outras ideias, melhores ideias, cheguem à superfície da nossa consciência como bolhas. E se estivermos a trabalhar num problema sem o conseguir resolver, a pausa torna o nosso cérebro mais sensível as coisas à nossa volta relacionadas com o problema. Ficamos mais observadores e conseguimos estabelecer uma associação, que a seguir se torna consciente sob a forma de uma súbita revelação.

                  6) Dormir: uma das ferramentas mais poderosas para promover a perspicácia é o sono. Se estiver bloqueado(a), durma uma sesta, vá para a cama. Conseguirá expurgar melhor a ideia inútil em que se fixou e ficará mais sensível a pistas susceptíveis de resolver os problemas.

                  Uma das descobertas mais interessantes das neurociências dos últimos 20 anos é que quando adquirimos memórias, elas são armazenadas sob uma forma temporária e frágil, semelhante ao cimento fresco. O cimento começa por ser mole e só endurece quando seca – tornando-se então forte e durável. As memórias também. Endurecem graças a um processo de consolidação, que decorre principalmente durante o sono.

                  De facto, a consolidação da memória também transforma a memória. Faz ressaltar os pormenores, as relações ocultas e pode ser a base da criatividade e da revelação.

                  É por isso que existem tantas histórias de pessoas que acordam a meio da noite com uma ideia nova ou a solução de um problema. Tal como Paul McCartney, que acordou uma manhã com uma melodia na cabeça. Era a da canção Yesterday. Simplesmente, apareceu. O sono é um supercarregador da criatividade.

                  7) Não fazer nada: não fazer nada é um trabalho criativo, porque quando estamos conscientemente a não fazer nada, a parte consciente ocupa apenas uma minúscula parte do nosso cérebro – e que o resto, a parte inconsciente, esse não pára. Há um processo que os psicólogos cognitivos chamam “incubação” – que é o cérebro a remoer associações. Essas associações podem depois surgir na consciência como revelações súbitas. O sono e o não fazer nada são dois supercarregadores do processo de incubação, por que deixam vaguear a nossa mente sem haver nenhuma tarefa especial para cumprir.

                  Quando as pessoas têm constantemente a mente cheia de tarefas, isso inibe o processo de incubação. Não quero dizer com isso que as pessoas devam tornar-se eremitas ou livrar-se de todos os gadgets, que também incentivam a incubação. Mas precisamos de um equilíbrio entre não fazer nada e fazer coisas. Precisamos de ambos para alimentar a criatividade e a perspicácia.

                  8) Tomar duche: o duche é um sítio fantástico para deixar vaguear a mente, para incubar pensamentos e preparar o terreno da revelação. Debaixo do chuveiro, a água é cálida, não sentimos fronteiras entre a nossa pele e o exterior do nosso corpo. Sentimo-nos expansivos. Há um ruído branco em pano de fundo e o que vemos está um pouco desfocado, levando-nos a virar o nosso pensamento para dentro, como se estivéssemos em condições de privação sensorial. Permite que a nossa mente vagueie e que a nossa atenção se expanda. É por isso que as pessoas tendem a ter grandes ideias no duche.
                  Exclusivo PÚBLICO/Bloomberg/The Washington Post

                  Comentários

                     
                    Fotografia de Vitor Teodoro
                    por Vitor Teodoro - Sexta, 14 Agosto 2015, 23:32
                    [Anyone in the world]
                    http://www.edtl.com.pt


                    E-Dicionário de Termos Literários 


                    Prefácio

                    O primeiro leitor insatisfeito com um dicionário que acaba de ser construído e publicado, tenho hoje a certeza disto, é o seu inventor e organizador. Uma obra dicionarística é sempre uma obra inacabada. E a grande (des)vantagem de um E-Dicionário de Termos Literários é ainda a de nunca poder ambicionar ter registado todos os termos literários em uso corrente e particular numa dada comunidade científica. Por exemplo, mesmo sendo esta obra um dos trabalhos mais exaustivos publicados em língua portuguesa, nesta área da terminologia literária, o leitor-crítico não deixará logo de apontar umas boas dezenas de termos que gostaria de ter encontrado no Dicionário. Um Dicionário de Termos Literáriosque nasça completo e capaz de satisfazer todos os seus potenciais leitores é certamente um dicionário imperfeito, porque se fechou já a si próprio e sobre si próprio. Por isso tenho agora a certeza de que este E-Dicionário de Termos Literáriosapenas se encontra na sua infância. O que lhe falta acrescentar é uma vida inteira de estudo e aperfeiçoamento, que os futuros leitores decidirão em grande parte. Uma tal obra, que esconde vários anos de investigação, quando chega a publicar-se já está de alguma forma desactualizada, por isso um dicionário, qualquer que ele seja, deve ser sempre uma obra a reescrever. A sua publicação gradual na Internet, em formato electrónico, permite essa actualização permanente. A última das missões de um E-Dicionário de Termos Literários deve ser, na minha opinião, a de querer ser normativo quer no uso dos termos quer na definições propostas. É sempre mais realista querer ser uma primeira ajuda para tentar resolver um problema literário, se assim entendermos que a consulta de um dicionário deste tipo se faz pela necessidade de esclarecer o uso técnico de uma palavra em contexto literário ou paraliterário.

                    A base terminológica de 1700 entradas abrange um elevado número de termos actuais e mesmo não dicionarizados ainda em nenhuma outra língua. Inclui também muitos termos estrangeiros que fazem parte da linguagem técnica da literatura, que no mundo lusófono se utilizam de forma variada. A base terminológica inicial continha um pequeno número de termos, escolhidos com base na frequência do seu uso na gíria literária e ensaística no campo dos estudos literários. Aceitando que os dicionários disponíveis em Português deixavam de fora centenas de termos em uso e que se justificava plenamente uma actualização dos conceitos e definições conhecidas e da bibliografia sempre crescente, impôs-se o desafio de fazer um levantamento mais exaustivo daquele que estava registado em obras do género (Dicionário de Termos Literários, de Massaud Moisés, 1ª ed. 1974; 8ª ed. 1997)

                    O processo de selecção dos termos foi, inicialmente, realizado a partir de todas as obras de referência que se encontram listadas na bibliografia. Excluíram-se todos os casos de uso muito restrito de um termo, em particular os inúmeros termos presos ao uso local ou muito especializado numa dada língua estrangeira: do alemão, por exemplo, Marienklage, do provençal retroencha, do irlandês séadna, do turco seci, do japonês sedoka, do castelhano cuaderna via, do inglês cup-and-saucer drama, do chinês lu-shih, etc. Em relação a certos grupos específicos (teatro, retórica, linguística, versificação, crítica feminista, psicanálise, filosofia, etc.) que possuem dicionários próprios, com ampla informação lexical, e que constituem o conjunto de termos de uma especialidade no campo dos termos ditos genericamente literários, fez-se uma selecção dos termos mais correntes ou que julgámos de maior interesse público.

                    Considerou-se como uma das condições para inclusão de um termo o grau de utilização que tem nas bibliografias da especialidade. Por oposição, quando um termo identificado possui uma utilização muito restrita, como Entkunstung (um neologismo alemão cunhado por Theodor Adorno, que aparece pela primeira vez em “On Jazz” (1953); trata-se de um termo intraduzível, que significará algo como a “negação da dimensão estética da arte”), sem nenhuma bibliografia reconhecida ou sem nenhum registo em obras da especialidade, optou-se por não o incluir.

                    Não se incluem informações etimológicas para todos os termos, porque tais informações podem ser recolhidas em dicionários etimológicos, mas optou-se por deixar uma informação sumária nos casos em que se entendeu poder ser útil abrir o verbete com essa informação, sobretudo se se tratar de um termo cuja etimologia contribui decisivamente para a fixação do seu sentido actual.

                    Um dos critérios mais difíceis de justificar é o do equilíbrio da extensão dos verbetes. O leitor especialista num dada área  sentirá certamente que os termos aqui tratados são muito breves, se comparados com outros para os quais não aceitará que sejam tão extensos. A responsabilidade da extensão dos verbetes é partilhada, naturalmente, pelos autores e pelo coordenador da obra, a quem devem ser pedidas explicações em último caso. O coordenador de um dicionário destas dimensões deve respeitar o bom senso público, digamos assim, que determina a extensão natural de um dado verbete. Mas também me parece justo reconhecer que alguma liberdade lhe assiste em alguns casos — aqueles em que exercita a sua sensibilidade, intuição ou ciência — para decidir que termos como convenção, ideologia, pós-modernismo ou raça, por exemplo, merecem um tratamento ensaístico, para além da mera descrição dos significados fundamentais. Por outro lado, optou-se por apenas reservar um espaço breve aos termos que possuem dicionários específicos, onde estarão devidamente desenvolvidos (por exemplo, ícone esigno para a semiótica, fonologiamorfologia para a linguística, encenador e mimo para o teatro, praticamente todas as figuras de retórica que são apenas referenciadas, porque informações completas poderão ser encontradas nos vários dicionários de retórica disponíveis, etc.). São normalmente estas decisões que, para o bem ou para o mal, concorrem para o perfil público da obra.

                    O leitor comentará, decerto, que falta na listagem o termo A ou o termo B ou o termo C que considera fundamental no campo literário; dirá também que o tratamento ensaístico dado ao termo D não é meritório se comparado com o termo E que ficou registado de forma muito sucinta; argumentará que a definição proposta para os termos F, G, H, e I são muito discutíveis e não representam um consenso sobre a matéria; e poderá ainda arrazoar sobre as falhas bibliográficas dos artigos J e K, etc. Pobre do dicionário que nasça e viva sem discussão, pobre do dicionário que nasça perfeito, pobre do dicionário que não provoque diferentes leituras e, sobretudo, que não fique aberto a correcções e averbamentos. Consideramos que estas negatividades previstas constituirão uma forma saudável de construir um instrumento de trabalho para os estudos literários que não se quer acabado, que não está acabado e que nunca se fechará sobre si mesmo.

                    Em nenhum momento se optou por registar graficamente os estrangeirismos de forma a ficarem mais próximas da língua portuguesa. Não achamos nenhuma vantagem no aportuguesamente de um termo técnico-científico que tem um uso particular, sem falarmos do acto fantástico de procurar uma pronúncia que fosse bem recebida por todos os utilizadores. Como é norma entre a comunidade nacional e internacional de estudiosos da literatura e da cultura, tais termos devem ocorrer na sua língua de origem e registados em itálico. Um dicionário técnico que optasse pelo aportuguesamento de um conjunto de termos estrangeiros teria, obviamente, que justificar, em todos os casos, a opção realizada. Este tipo de opções são, nesta área, quase sempre problemáticas e de imediata refutação, tornando-se impossível alcançar o consenso necessário ao seu registo dicionarístico. A maior parte das tentativas conhecidas nesse sentido terminaram em desastres linguísticos do tipo escolher diferição para traduzir o neologismo proposto por Derrida différance, o que podemos ler na edição portuguesa do Glossário da Crítica Contemporânea, de Marc Angenot. Contudo, o aportuguesamento justifica-se nos casos em que existe uma correspondência directa na língua portuguesa para a expressão estrangeira, de tal forma que a tradução proposta não oferece dúvidas e se apresenta como evidente. Neste caso, por exemplo imasculinização (immasculation) ou horizonte de expectaivas (Erwartungshorizont), decidiu-se deixar sempre o nome original entre parêntesis para que o leitor saiba que está perante uma tradução directa, que possui já alguma abonação na literatura da especialidade.

                    Os colaboradores deste E-Dicionário de Termos Literários são, na sua maior parte, professores universitários de Portugal e do Brasil. Esta obra não teve nenhum apoio financeiro ou de outra espécie. A sua existência deve-se à solidariedade científica de todos os colaboradores e à convicção de quem acredita que é possível ir juntando ordeiramente ideias ao longo de vários anos, arrumando-as em estantes de palavras, ensaiando cada palavra até lhe encontrar um lugar digno, limpando-lhes o pó das dúvidas que todos os dias se acumulam, até ao dia em que a biblioteca de palavras ganha um rosto a que se chama, provisoriamente, dicionário.

                    Este e-livro não é um cardápio de termos críticos para uso comum e arbitrário de quantos se servem da investigação literária. Não é certamente um dicionário onde se pode verificar a acepção normalizada para um dado conceito e assim aplicá-lo conforme as conveniências. Não é uma fonte onde se possa beber indiferentemente a ideologia que nela corre. Não é um manual de condução. Não é uma enciclopédia onde possamos encontrar toda a informação objectiva que nos interesse sobre um dado assunto. Fica então alguma coisa para este e-livro ser?

                    Todos os termos aqui apresentados fazem parte da metalinguagem dos profissionais da literatura (críticos jornalísticos, escritores, professores, investigadores) e são do conhecimento comum, com poucas excepções. Contudo, não existia em Portugal uma obra que fizesse a história individual de cada um dos termos nucleares que esses profissionais usam (e abusam). Não se trata de fazer uma simples história ou relato da evolução epistemológica de conceitos teóricos: pretendeu-se realizar não só uma história conceptual mas também uma história crítica acompanhada de uma reflexão pessoal sobre tais conceitos. A tarefa foi entregue de propósito a jovens profissionais, na sua maioria, e praticamente todos inéditos em livro. Na prática, tudo começou num seminário de mestrado de Teoria da Literatura, subordinado ao tema “Pós-estruturalismo e Literatura – Teoria e Prática da Textualidade”, que orientei na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, cujos participantes foram convidados a realizar esta obra colectiva sob minha orientação. Seguiram-se dois cursos de pós-graduação para professores do ensino secundário, que continuaram a trabalhar na mesma área, e várias edições do mestrado em Estudos Anglo-Portugueses, até 2005. Seleccionados os melhores artigos, chegámos a este e-livro, ainda em construção, que quer continuar a ser um pretexto para a reflexão mais do que uma reflexão sem qualquer pretexto.

                    Um e-livro desta natureza, que reúne trabalhos de vários profissionais sob a mesma orientação e de indivíduos sem currículo editorial, não é muito comum em Portugal, onde se privilegia o costume: a cada livro sua cabeça. Acredito que a tarefa a que nos propusemos só podia concretizar-se colectivamente. O resultado alcançado é mais do que tudo uma introdução aos estudos literários, à crítica literária e à teoria da literatura, apresentando criticamente termos primários e secundários para tais estudos. A  era pós-estruturalista provocou a aparição de muitos títulos colectivos defendendo criticamente filosofias tão diferentes entre si como a desconstrução, o marxismo literário, a psicanálise, as estéticas da recepção do leitor, o feminismo, a hermenêutica negativa, etc. Um e-livro deste género pode ajudar a compreender a linguagem destas filosofias que, muitas vezes, fazem da negação dos modelos alheios o problema central da seu próprio trabalho especulativo.  Sobretudo, um tal e-livro não quer deixar o leitor indiferente à sua própria diferença perante as crenças discutidas, para isso o convida, nas entrelinhas, a reflectir ele próprio sobre as reflexões apresentadas. A bibliografia essencial (com registo de informação mínima, não só para condensar os verbetes como porque é hoje mais fácil descobrir um título pelo nome do autor e ano de edição), que acompanha cada um dos termos, pode também ajudar a ampliar o estudo do leitor e a sua participação num processo que cada mais não pertence a nenhum indivíduo em particular, porque a ninguém reconhecemos a faculdade de possuir a verdade absoluta sobre o que quer que seja.

                    Carlos Ceia

                    Comentários

                       
                      Página: 1 2 3 4 ()